Taurinas

Crónicas

Crónicas

Taurinas

Temporada 2019

Festival Taurino em Beja

Sábado dia 12 de outubro foi dia de ir até Beja, naquele que era o XI Festival Taurino de Beneficiência a favor da Cercibeja.

Luis Rouxinol abriu praça frente a um novilho colaborante de Passanha Sobral, deixou dois compridos de boa nota, desenhou bem as sortes com batidas ao pitón contrário na cravagem dos curtos, rematando a sua lide com um violino e um palmito. Pelos amadores do Redondo foi caras Jorge Gato numa primeira tentativa rija mas com o grupo a ajudar.

Volta para cavaleiro e forcado.

Tito Semedo iria lidar um novilho de Nuñes de Tarifa que viria a praça sem condições e por decisão do diretor de corrida, foi recolhido, recolha essa que demorou mais vinte minutos, e após a recolha concluida, Tito voltou a entrar em praça para lidar o sobrero da ganadaria Ascensão Vaz que tardara em sair por ainda não estar embolado, perdeu-se outros tantos minutos de corrida, em que acabara por sair novamente, e dar entrada o próximo cavaleiro.

Manuel Telles Bastos em substituição de João Moura, teve por diante um bonito e exigente novilho de Pégoras, nos compridos deixou 3 de boa nota, nos curtos com batidas ao pitón contrário, soube aguentar a investida, e  deixou bons ferros. Pela jaqueta de Beja foi cara Manuel Maria Vicente, à primeira tentativa com o novilho a empurrar até às tábuas.

Volta para cavaleiro e forcado.

Voltou de novo a praça, Tito Semedo para lidar o sobrero de Ascensão Vaz, também ele bonito de apresentação, deixou três ferros compridos consentindo um toque na montada no último. Nos curtos andou regular com pouca emoção com o novilho a não facilitar. Nos amadores de Monsaraz saltou de barrete na mão Paulo Cardoso numa grande pega com o toiro a entrar forte pelo grupo.

Volta para cavaleiro e forcado.

Manuel Dias Gomes lidou um novilho de Ascensão Vaz com pouca força. Iniciou a sua lide com uma tafallera de seguida com verónicas, no tércio de bandarilhas dois bons pares de João Ferreira passando depois para o tércio de muleta com derechazos remantado a sorte com o novilho a não permitir muito mais. Volta à arena.

Luis Rouxinol jr lidou um dos melhores novilhos da tarde, da ganadaria Branco Núncio. O novilho apresentava um corte na mão esquerda mas ainda assim não comprometeu a sua lide, Luis andou bem na cara no toiro deixando dois ferros compridos de boa nota, onde consentiu de seguida um toque na montada, nos curtos pisou terrenos de compromisso e arriscando, a sua lide foi em crescendo e no final tornou-se um pouco “abusiva” devido aos três pares de bandarilhas que apenas ficou uma bandarilha de cada par, com o diretor a não permitir mais, ainda assim após muita insistência do jovem cavaleiro acabou por colocar mais dois palmitos ficando apenas um no toiro. Luis Feiteirona pelos amadores do Redondo não reuniu da melhor maneira saindo lesionado, foi dobrado pelo colega Pedro Charrito que também nas suas três tentativas o novilho vinha com força a não permitir erros, saindo também ele e outros colegas lesionados, por fim e com garra Diogo Brejo consumou a pega ao quarto intento com o publico a aplaudir de pé a garra e valentia após uma dura pega. Volta para o cavaleiro e ganadero.

O novilho Lampreia calhou em sorte a Mara Pimenta que viria em substituição de Ana Batista, desenhou um boa lide esteve bem nos compridos, e nos curtes soube aproveitar o hastado com batidas ao pitón contrário, levando uma lide em crescendo remantou com um palmito. Pelos de Monsaraz foi cara Filipe Navalhas que fez três duras tentativas com o grupo a não ser coeso com as ajudas carregadas não deixando o forcado ganhar o seu “espaço” na cara do toiro, na quarta tentativa o forcado fechou-se na bem e o grupo foi coeso na reunião. Volta para a jovem cavaleira.

Por fim o jovem cavaleiro amador Joaquim Brito Paes em substituição de Andrés Romero, lidou um bonito toiro de Falé Filipe, cravou três ferros compridos, e nos curtos desenhou bem as sortes, com batidas ao pitón contrário levando uma lide em crescendo. Pela formação da casa foi cara Guilherme Santos, que viu o toiro nas suas três tentativas a derrotar forte com velocidade, e o grupo a não saber resolver, na quarta e a sesgo com o forcado sempre a demonstrar garra e querer de ficar arrancou de novo uma boa pega, desta vez com o grupo a resolver.

Volta para cavaleiro e forcado.

Durante o intervalo os representantes da Cercibeja entregaram lembranças a todos os intervenientes do espetáculo, desde os cabos dos forcados, ao embolador, chefe de portas…

De citar que esta iniciativa e com a ajuda de todos, a associação após liquidar as despesas do espetáculo ficou com uma receita de 7.565€ e mesmo com as ausências de Ana Batista e Andrés Romero deram também eles o seu donativo, respetivamente de 150€ e 500€.

 

Dirugiu o espetaculo o delegado técnico Domingos Jeremias, assessorado por Ana Gomes.

Crónica de JOÃO RODRIGUES de CARVALHO

Temporada 2019

Corrida de Gala à Antiga Portuguesa (Campo Pequeno) RTP

10 de outubro, quinta-feira dia de ir aos toiros ao Campo Pequeno… Desta vez com um sabor especial, corrida de gala à antiga portuguesa, uma tradição tão nossa e que cada vez devemos zelar pela sua continuação, e foi isso mesmo que os aficionados fizeram! Esgotaram a Catedral do Toureio a Cavalo.

Corrida esta que contava com a transmissão no canal de televisão RTP, que embora não o faça em direto, continua a dar o seu contributo à tauromaquia, levando-a também até à casa de quem não pôde ir, ou nunca foi a uma corrida.

Após as cortesias, foi entregue o galardão de prestigio a António Ribeiro Telles, onde foi ovacionado de pé pelo publico presente.

Tocou o cornetim do José Henriques e deu-se inicio à corrida de toiros onde o jovem cavaleiro António Prates confirmou alternativa apadrinhado por António Ribeiro Telles, sendo testemunhos João Moura Caetano, Rui Fernandes, Ana Rita, e Luis Rouxinol jr.

António Prates viu sair dos corrais um toiro da ganadaria António Raúl Brito Paes com 542kg. Desenhou uma lide em crescendo, com o toiro a não transmitir o que o jovem pretendia, mas ainda assim na cravagem deixou dois compridos de boa nota e nos curtos soube interpretar o toiro com algumas batidas ao pitón contrário rematando bem as sortes.

Pelos amadores de Montemor abriu praça António Pina numa boa pega com o grupo coeso sem dificuldades. Volta para o cavaleiro e forcado.

António Ribeiro Telles enfrentou um toiro com 600kg, Numa lide em crescendo, cravando dois ferros compridos e nos curtos com sortes bem desenhadas de boa nota com batidas ao pitón contrário ao agrado do publico.

Pela formação do Aposento da Chamusca, de barrete na mão, Francisco Andrade com um cite vistoso concretizou a pega ao primeiro intento. Volta para o cavaleiro e forcado.

Rui Fernandes lidou o seu toiro de 586kg com uma boa sorte gaiola num ferro á tira. Desenhou bem as sortes, deixou dois compridos, e nos curtos com batidas ao pitón contrário e boa brega concretizou uma boa atuação com o publico a gostar.

João da Camâra pelos de Montemor consumou ao primeiro intento com o seu oponente a arrancar-se assim que o viu. Volta para o cavaleiro, forcado e ganadeiro.

Com 642kg João Moura Caetano cravou dois bons ferros compridos, nos curtos deixou também boa ferragem a dobrar-se bem na cara do toiro e com batidas ao pitón contrário montado no campo pequeno.

Pelo aposento foi cara João Saraiva que fechou-se bem na cara do toiro com o grupo coeso.

Volta para o cavaleiro e forcado.

Ana Rita viu sair dos curros com 604kg um toiro que ao principio não mostrava grande ligação ao cavalo, ainda assim Ana soube interpretar o toiro, pisando terrenos de compromisso, cravando dois compridos de boa nota, afirmando-se nos curtos, terminando a sua passagem por Lisboa com um violino e um palmito.

Pelos de Montemor Francisco Borges não teve tarefa facil. Forcado com experiência num cite vistoso, a mandar no toiro, na suas duas primeiras tentativas viu o toiro a investir de cabeça baixa com violentos derrotes levando uma trajetória ao desencontro do resto da formação, na terceira tentativa ainda com a sua calma, mantendo o seu site com as ajudas carregadas consumou a pega com o toiro de novo a arrancar-se bruto não perdoando falhas. Volta para o cavaleiro e forcado.

Luis Rouxinol jr. enfrentou o segundo mais pesado da noite com 640kg na cravagem deixou dois ferros compridos á tira de bom tom, nos curtos desenhou bem as sortes, dobrando-se bem na cara do toiro, e terminou a sua passagem pela catedral com dois palmitos fechando assim uma boa lide com o publico a gostar.

Pelos amadores do Aposento da Chamusca, João Salgueiro viu o toiro na sua primeira tentativa a sacudi-lo com uma investida violenta, já na segunda tentativa concretizou assim a pega com uma grande primeira ajuda do seu cabo. Volta para cavaleiro e forcado.

O curro de António Raúl Brito Paes saíu pesado, bonito de apresentação mas díspares de comportamento, com nota positiva para o terceiro da ordem.

Terminou assim mais uma quinta feira de toiros, a última da temporada lisboeta 2019.

Campinos da Casa Agricola José Manuel da Úrsula

Banda do Samouco.

Charanga da GNR

Cornetim José Henriques

Diriugiu o espetáculo o diretor de corrida Tiago Tavares, assessorado pelo médico veterinário, Jorge Moreira da Silva.

Crónica de JOÃO RODRIGUES de CARVALHO

Temporada 2019

Corrida de Toiros dos 35 anos da alternativa de Rui Salvador - TVI

A Catedral do Toureio a Cavalo, abriu portas para receber a grande corrida de toiros do emigrante televisionada pela estação de televisão TVI (estação esta que comemora este ano 20 anos que começou a transmitir corridas de toiros) onde também se prestava homenagem pelos 35 anos de alternativa de Rui Salvador.

 

Em praça estavam três grandes nomes do toureio a cavalo, João Moura, Rui Salvador e Luis Rouxinol, pelas jaquetas das ramagens o Grupo de Forcados Amadores de Tomar, São Manços e Caldas da Rainha frente a um curro de Veiga Teixeira.

A corrida registou uma boa moldura humana com muitas caras famosas e claro muitos emigrantes…

No inicio foi prestada homenagem ao cavaleiro Rui Salvador, dentro de arena onde foi declamado um texto sobre Rui Salvador, após a leitura, a Dra. Paula Resende e Rui Bento Vasques deram uma lembrança ao cavaleiro.

Abriu praça o mais velho de alternativa, João Moura que brindou a sua lide ao companheiro de cartel e homenageado, Rui Salvador. Frente a um toiro Veiga com 568kg, cravou dois ferros compridos de boa nota, um deles descaído, nos curtos cravou com emoção numa lide em crescendo com ferros de praça a praça com o publico a pedir mais um ferro para completar a sua primeira lide.

Pelos amadores de Tomar foi cara Ricardo Silva que brindou a Rui Salvador, não teve tarefa facil, com o toiro a vir bruto e com derrotes violentos, consumou à segunda tentativa com o grupo coeso e a fechar bem.

Volta para cavaleiro e forcado.

Rui Salvador, viu sair dos curros um toiro complicado, que exigia muito do cavaleiro reservando-se em tábuas, cravou dois ferros compridos, consentiu alguns toques na montada, nos curtos andou regular numa lide com pouca transmissão.

Pelos amadores de São Manços, Pedro Fonseca foi à cara, brindou também ele a Rui Salvador.

Viu o toiro a investir com a cabeça baixa e derrotar forte após duas tentativas fortes e violentas, o forcado recolheu à enfermaria e foi dobrado pelo colega Jorge Valadas, que consumou apenas ao 4 intento a sesgo com o toiro a não querer se arrancar.

Volta apenas para o cavaleiro.

Luis Rouxinol brindou a sua lide a Rui Salvador, recebeu o seu primeiro toiro com 598kg, cravou três ferros compridos, nos curtos andou bem com destaque para o segundo ferro, Luis desenhou uma lide com raça, emoção e verdade frente a um astado que pouco transmitia.

Pelos amadores das Caldas da Rainha, foi cara o cabo Francisco Mascaranhas que brindara à Dra. Paula Resende, na sua primeira tentativa viu o toiro a derrotar forte, na segunda o toiro apanhou-o pelos joelho tirando o forcado da cara, na terceira tentativa o forcado aguentou e bem na cara do toiro até à ultima mas os violentos derrotes acabaram por o trair, finalmente à quarta tentativa já com o grupo bem carregado consumou a pega, mas após o toiro estar pegado e ainda dentro de arena  recolheu à enfermaria auxiliado pelo corpo médico e colegas.

Volta para cavaleiro e forcado. (ausência do forcado após este ter recolhido à enfermaria)

João Moura voltou à arena inspirado, e consumou uma excelente porta gaiola resultando num ferro muito bom, cravou ainda mais um ferro comprido, passando depois para os curtos com bons ferros, desenhou uma boa lide de muito bom tom.

Pelos amadores de Tomar, foi cara Luis Campino numa boa pega à primeira tentativa sem qualquer complicação.

Volta para o cavaleiro e forcado.

Rui Salvador viu o ultimo toiro do seu lote com 532kg, cravou dois bons ferros compridos, andou regular nos curtos com batidas ao pitón contrario com ferros bem cravados mas com pouca emoção, o toiro descaía muito para tábuas dificultando a lide ao cavaleiro de Tomar.

Pelos amadores de São Manços foi caras o cabo João Fortunato que brindou a pega a Margarida Vitória Pereira (em representação da direção dos programas da TVI) na primeira tentativa teve algumas dificuldades a recebê-lo, e depois consumou a pega ao segundo intento, a escassos centimetros do toiro por este não se arrancar de forma alguma.

Volta para o cavaleiro e forcado (obtando o forcado por não dar a volta)

Para terminar a noite na Catedral, Luis Rouxinol brindou ao publico presente, da porta dos curros saíu o ultimo veiga com 534kg, cravou dois bons ferros compridos, nos curtos teve algumas dificuldades em cravar por estes baterem nos outros já postos, mas cravando bons e emocionantes ferros a gosto do publico, terminando a lide com um bom par de bandarilhas e um palmito.

Pelos amadores das Caldas da Rainha, e naquela que viria a ser a melhor pega da noite foi cara Lourenço Palha, numa pega brilhante à primeira tentativa, com o forcado a mostrar raça e determinação em ficar na cara do toiro com violentos derrotes até às tábuas.

Volta para o cavaleiro e forcado, com o publico a pedir mais uma ao forcado.

O curro de Veiga Teixeira estava bem rematado em apresentação mas díspares de comportamento.

Diretor de corrida: João Cantinho

Veterinário: Jorge Moreira da Silva

Cornetim: José Henriques

Banda do Samouco

Campinos: Casa Agricola José Manuel da Úrsula.

Terminou assim a noite no Campo Pequeno com o já habitual Hino Nacional.

Crónica   JOÃO RODRIGUES de CARVALHO

Temporada 2019

Grande corrida de toiros de Homenagem a Joaquim Bastinhas e a apresentação do jovem rojeneador em Portugal, Guillermo Hermozo de Mendonza.

Antes das cortesias e ainda com três veículos dentro de arena (patrocinios) foram chamados a arena Pablo Hermozo, Marcos Bastinhas, Guillermo Mendonza, os dois cabos dos Grupos de Forcados de Évora e São Manços, o ganadero Pedro Passanha e o respectivo maioral da ganadaria, para prestar homenagem a Joaquim Bastinhas, e posteriormente o descerrar de placa no páteo de quadrilhas.

Pablo Hermozo de Mendonza abriu praça frente a um toiro de 580kg, recebendo o ferro das mão do seu filho Guillermo cedido por Marcos. Desenpenhou uma lide regular com dois bons ferros compridos, e nos curtos deixou uma boa cravagem, onde o publico da Arena d´Évora vibrou com o rejoneador espanhol!

 Para a primeira pega da noite, saltou a arena o forcado Manuel Rovisco dos amadores de Évora, numa pega à primeira tentativa com o Passanha a dar uns derrotes sacando o forcado da cara várias vezes, as o grupo a coloca-lo no sitio com coesão.

 Volta para cavaleiro e forcado.

 Marcos Bastinhas esperou o seu primeiro toiro do lote com 545kg junto da portas dos curros, cravou dois bons ferros compridos, após a cravagem do seu 3 ferro viu a sua montada escorregar e sofreu uma pequena colhida que mesmo assim não o demoveu. Marcos queixava-se de algumas dores apos o incidente e concluiu a sua lide com bons ferros de batida ao pitón contrario, um palmito e o já tradicional par de bandarilhas concluindo assim a sua lide deixando a sua montada ir sozinha até ao patio de quadrilhas.

 Para a segunda pega da noite, foi caras Jorge Valadas, da formação de São Manços. Na sua primeira tentativa caiu ao recuar já mesmo com o toiro muito perto, na segunda tentativa o forcado tentou emendar-se mas viu novamente o astado a defender-se com o pitón direito apanhado-o nas pernas, ainda assim o grupo esteve bem e ajudou com prontidão.

 Volta para cavaleiro e forcado.

 Guillermo Hermozo de Mendonza não teve de todo a noite sonhada como pretendia, frente a um toiro de 550kg, cravou três ferros compridos descaídos, com algumas passagens em falso mas ainda assim levou uma lide de menos a mais e deixou uma cravagem de curtos regular, embora sem desenhar as sortes mais perfeitas.

 Na pega pelos amadores de Évora, João Madeira numa boa primeira tentativa ficando um pouco fora da cara do toiro mas o grupo a fechar bem.

 Volta para o caveleiro e forcado.

 Após o intervalo, de novo em praça, Pablo Mendonza.

 Frente a um toiro com 535kg, cravou dois ferros compridos de boa nota e cresceu na lide levando-a de menos a mais, com o publico a aderir numa atução com bons ferros curtos com batidas ao pitón contrário, e o rejoneador a mostrar a sua arte aos aficionados dobrando-se bem na cara do toiro com a sua montada.

 Para a pega foi cara o cabo do grupo de São Manços, João Fortunato numa grande pega à segunda tentativa com o toiro a dar violentos derrotes mas o forcado a fechar-se bem de braços e o grupo a ajudar muito bem.

 O cavaleiro e Forcado deram duas voltas à arena.

 Marcos Bastinhas foi presentiado com uma dedicatória cantada das bancadas de um aficionado espanhol onde a praça apladiu tal gesto feito, o ultimo toiro do seu lote tinha 570kg onde obtou por uma sorte gaiola que viria a resultar num grande ferro! Deixando mais um ferro comprido de boa nota, nos curtos desenhou bem as sortes, com batidas ao pitón contrário e dobrar-se be na cara do toiro com a sua montada, para terminar a sua lide após grandes momentos deixou dois pares de bandarilhas de boa nota.

 Para a ultima pega da formação de Évora, foi cara Dinis Caeiro numa grande pega à primeira  tentativa com o toiro a dar derrotes fortes e o forcado a fechar-se forte de braços!

 Como se diz na giria, “não à quinto mau”e viria mesmo a ser verdade…

o ganadero Pedro Passanha foi chamado à arena para dar a volta juntamente com o cavaleiro e forcado.

 Para fechar a noite, Guillermo Mendonza numa lide completamente diferente da primeira, o jovem  rejoneador cravou dois bons ferros compridos, viu o seu toiro com 548kg a colaborar no seu estilo de rejoneio e o mesmo soube aproveitar cravando bons ferros curtos, mostrando a sua arte e para  terminar a sua lide deixou-nos com um bom par de bandarilhas.

 Para a ultima pega da noite, pelos amadores de São Manços foi cara Pedro Galhardo numa excelente pega á segunda tentativa numa viagem atribolada com o toiro dar derrotes e o forcado a aguentar forte de braços.

Volta para o cavaleiro e forcado.

 Na campinagem esteve Mário Gordo e Joaquim Lobo a cavalo.

O curro Passanha saiu bem apresentado e encastado com nota positiva para o quinto e sexto toiro.

Crónica   JOÃO RODRIGUES de CARVALHO

Temporada 2019

Novilhada popular de promoção ao jovens valores da tauromaquia

, integrada na II Feira das Tertúlias de Vila Franca de Xira.

Tarde de muito calor onde as portas da Palha Blanco estiveram abertas,  onde os aficionados responderam com meia casa refugiando-se nos sectores da Sombra devido ao excesso de calor. O festival começou com cerca de 40 minutos de atraso devido ao “transporte da banda” do Atneu Artistico Vilafranquense.

Abriu praça o jovem Francisco Núncio que teve por diante um novilho pouco colaborante, mas mesmo assim o cavaleiro consumou a lide com 3 ferros compridos, 2 curtos e fechando com 1 violino, embora com alguns toques na montade fez uma lide regular. De seguida entrou o jovem Ricardo Cravidão que na sua lide deixou 3 ferros compridos, 3 curtos e mais 1 a pedido do público, andou bem frente ao novilho mostrando um pouco de “trabalho de casa” chegando facilmente às bancadas.

Pelas ramagens, do grupo da terra, foram caras André Câncio à primeira tentativa com o novilho a fugir ao grupo e o mesmo a saber dar uma resposta coesa e prontidão ao forcado da cara, para o segundo novilho saltou à arena Gilherme Dotti, que viu o novilho a arrancar-se de largo e a entrar pelo grupo dentro até às tábuas, também ela à primeira tentativa.

Nas lides apeadas estivera presentes os jovens, Alejandro Rivero da E.T.de Badajoz, Júlio Alguiar da E.T.de Málaga, Filipe Martinho da E.T.da Moita que veio com vontade de triunfar, e fechou com Chave d´Ouro o jovem Duarte Silva da E.T.José Falcão, que durante a sua lide recebeu indicações do Maestro Victor Mendes, e que viria mesmo a sair em ombros da Palha Blanco,

Dos curros sairam seis novilhos da Ganadaria Falé Filipe, destacando-se os dois últimos.

Na campinagem estiveram José Carlos e Rui Santos em representação pela Herdade da Adema, onde mostraram a arte de trabalhar com o gado, reprentando assim o Ritabejo, não fosseos nós estar em Vila Franca de Xira, terra de Touros e Toureiros, Cavalos e Campinos!!! Olé…

Terminara assim a tarde na Palha Blanco onde houve música para todos…

Dirigiu o espetáculo João Cantinho, o veterinário Jorge Silva, e o saudoso José Henriques.

 Texto de João Rodrigues de Carvalho

Temporada 2019

Festival da despedida de David Antunes, na Palha Blanco

Em praça estavam presentes Luis Rouxinol, Marcos Bastinhas, Luis Rouxinol Jr. , na lide apeada o Maestro Victor Mendes, Manuel Escribano e Manuel Dias Gomes, sendo as pegas estavam a cargo do Grupo de Forcados Amadores de Vila Franca de Xira, com novilhos de diversas ganadarias.

A Palha Blanco recebeu ¾ de publico bem compostos, onde mais uma vez se prova que a tauromaquia ainda está de pé e tem pernas para continuar.

Para abrir o festival entrou em arena o cavaleiro Luis Rouxinol, que brindara a sua lida com muita emoção e o publico a aplaudir de pé, junto de Marcos Bastinhas e David Antunes, ao saudoso Mestre Joaquim Bastinhas.

Foram visiveis as lagrimas de Luis após o binde de sua lida, mas o cavaleiro de Pegões mostrou-nos a sua arte frente a um novilho do Eng. Luis Rocha com 350kg, luis cravou dois ferros compridos de boa nota, nos curtos esteve igualmente bem e rematou a sua lide com um ferro de palmo, onde se viu durante a lide um bom toureio, pelos forcados foi cara o jovem Diogo Conde que brindou a sua pega a David Antunes, a pega foi consumanda ao primeiro intento com o grupo a ajudar bem.

 

Para o segundo novilho, entrou Marcos Bastinhas que do centro da Palha Blanco brindou ao seu pai Joaquim Bastinhas onde ninguem ficou indeferente aplaudindo-o de pé numa intensa ovação, Marcos iniciou a sua lide esperando o seu oponente à porta dos curros, um novilho da Casa Prudêncio com 390kg de boa apresentação. Nos compridos fez uma boa cravagem, optando depois por trocar de montada por um cavalo preto para a cravagem dos curtos, onde mostrou raça. Toureio, e ambição!

Para terminar a sua lide e com o “ferro da casa” não poderia faltar o par de bandarilhas saltando depois da sua montada na arena agradecendo ao publico da Palha Blanco e ao ceu! Pelas ramagens foi cara Guilherme Dotti que brindou a Marcos a sua pega, a pega foi consumada ao terceiro intento com o grupo a ser coeso e a ajudar, depois das duas primeiras tentativas o novilho ter dado umas investidas fortes e duras sacundindo o forcado para fora da cara sem o grupo nada poder fazer.

 

Deram a volta o cavaleiro e forcado, sendo que no fim Marcos Bastinhas voltou ao centro da arena com grande ovação e o publico a aplaudir de pé rendendo-se a si e ao saudoso Mestre Joaquim Bastinhas.

 

O jovem cavaleiro Luis Rouxinol Jr. brindou  a sua lide a David Antunes, tomando depois a valentia e coragem fazendo uma porta gaiola ao novilho de Canas Vigouroux com 440kg, Luis soube aguentar a investida fazendo uma boa cravagem, o novilho depois da primeira cravagem, apresentou algumas dificuldades no movimento, obtando o diretor de corrida por o substituir pelo sobrero que viria a ser da Ganadaria Nuno Casquinha.

 

Uma vez o novilho recolheu aos curros, deu-se inicio à entrega de lembranças a todos os intervenientes do festival.

 

Na segunda parte e já com o tempo a ameaçar com algumas pingas e vindo depois a começar a chover sem parar, abriu arena pelo toureio apeado o Maestro Victor Mendes, frente a um Falé Filipe com 355kg, de pelagem jabonera.

Boa nota no capote, humilhando bem, no tercio de bandarilhas boa cravagem, o Maestro brindou a sua lide a David Antunes, iniciando assim o tercio de muleta com a maestria que já nos tem habituado.

 

Infelizmente a chuva acompanhada de trovoada não deu treguas, e apos meia hora de espera numa tentativa que o S.Pedro desse uma abébia, o diretor de corrida juntamente o todos os intervenientes deu o espetaculo por terminado.

 

Coincidências ou não… a emoção que se viveu na Palha Blanco com os emotivos e sentidos brindes à memória do Mestre Joaquim Bastinhas, o céu também chorou…

Crónica de João Rodrigues Carvalho

Publicidade

error: Content is protected !!